O que faz o prefeito do campus Luiz de Queiroz?

por | 19 ago, 2020 | 0 Comentários

 

Foto: Gerhard Waller/Esalq

Segurança e acessibilidade estão entre bandeiras da gestão do professor Roberto Arruda.

Com cerca de 4 mil hectares, o campus Luiz de Queiroz, da Universidade de São Paulo (USP), é um dos principais locais do país no desenvolvimento de pesquisas e na oferta de cursos superiores nas áreas de ciências agrárias e ambiental.

O cartão-postal logo na entrada de Piracicaba representa praticamente metade da área total da USP e é sede de prédios centenários da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq) – frequentemente em rankings internacionais de melhores cursos – do Centro de Energia Nuclear na Agricultura (Cena) e de estruturas de suporte à matriz da USP, na capital. As instalações do campus ficam também em Jaú, Anhembi e Itatinga, no interior de São Paulo.

Como em uma cidade, é necessário um prefeito para que a infraestrutura do campus esteja sempre em ordem. Quem ocupa a função desde 2018 é o engenheiro agrônomo Roberto Arruda de Souza Lima, professor do Departamento de Economia, Administração e Sociologia da Esalq e doutor em Economia Aplicada pela USP.

Arruda levanta bandeiras como sustentabilidade, segurança, acessibilidade e integração com a comunidade. Atenção e criatividade são as palavras-chave para uma boa gestão em tempos de queda de recursos financeiros, segundo o engenheiro.

Confira o bate-papo da Trinova Press com o prefeito do campus Luiz de Queiroz:

TRINOVA — O que é a Prefeitura do Campus Luiz de Queiroz?
ROBERTO — A prefeitura é responsável pela gestão de áreas de uso comum, acompanhamento e execução de obras, abastecimento de água e eletricidade, coleta e tratamento de esgoto, trânsito, manutenção de áreas verdes e do patrimônio histórico, áreas de proteção permanente, transporte e manutenção de veículos, segurança patrimonial, controle de acesso de veículos, creche, atividades esportivas, moradia estudantil e restaurante.

TRINOVA — E o que faz o prefeito?
ROBERTO — O prefeito é o elo entre campus e reitoria. Enquanto a preocupação central do diretor da Esalq é acadêmica, o prefeito está focado na infraestrutura e demais condições para que as demais unidades possam executar da melhor forma possível suas atividades de ensino, pesquisa e extensão.

TRINOVA — Fale dos principais desafios que encontrou ao assumir a gestão.
ROBERTO — Estamos em um campus muito grande, que representa cerca de metade de toda área da USP, e centenário, com todas implicações na manutenção que a idade traz. Boa parte é tombada, reforçando a importância não apenas para USP, mas para toda sociedade. Grande parte de sua estrutura antecede a diversas normas de acessibilidade e segurança, implicando em adaptações constantes. Mais que a manutenção, precisamos estar sempre de olho no futuro. Hoje, por exemplo, a principal obra em execução está renovando grande parte da rede de água e, ao mesmo tempo, avançando fortemente na rede de tecnologia da informação. Há o desafio de nos adaptarmos à realidade econômica atual, em que os recursos financeiros e humanos são menores que no passado. Não menos importante, são os cuidados crescentes com os alunos.

TRINOVA — Como manter um ambiente agradável no campus?
ROBERTO — Costumo comparar o papel da prefeitura com o de um juiz de futebol. Juiz bom não é notado no jogo, mas é o que permite que o jogo ocorra sem incidentes. Ambiente agradável é aquele em que os um milhão de litros de água que a prefeitura trata diariamente cheguem normalmente em cada torneira, que não falte luz, que não ocorram reclamações. Acessibilidade e mobilidade requerem investimentos constantes. Wi-Fi, câmeras de segurança e muitos outros itens dependem das ações na rede de TI, em andamento. A gestão ambiental também deve estar sempre presente.

TRINOVA — E as políticas para a comunidade externa?
ROBERTO — O campus, exceto na excepcionalidade dessa fase de pandemia, é local de esporte e lazer da comunidade externa, fato que leva a políticas e ações para que essa experiência seja a melhor possível para todos.

TRINOVA — Como avalia sua atuação na prefeitura?
ROBERTO — Sem falsa modéstia, estou muito satisfeito com o trabalho da equipe da prefeitura. Nesta gestão, retornaram a ocorrer eventos esportivos e de lazer, como a corrida Volta Luiz de Queiroz, e passeios de bicicleta organizados têm percorrido as ruas do campus. Após muitos anos, voltamos a contar com a piscina, processo que já estava em andamento na gestão anterior, e o ginásio esportivo foi reformado. Foi implementada uma linha de ônibus circular, facilitando a locomoção de alunos e reduzindo o uso de veículos particulares. Em projeto de implantação, uma passagem aérea e subterrâneas para segurança da fauna silvestre e minimização de acidentes nas vias públicas, como no acesso ao aeroporto e bairro Monte Alegre. A compra de um drone permitiu incremento na vigilância e fiscalização do campus. Foi criada a brigada arborista, que será essencial na gestão do parque, prevenindo acidentes decorrentes das inúmeras árvores do campus. O Jardim Vertical na Casa do Estudante Universitária, além dos benefícios internos, será um marco para o município, em ponto de grande visibilidade.

TRINOVA — Qual a receita para a economia de recursos?
ROBERTO — Esse tem sido nosso desafio diário. A maior produtividade permite economizar recursos e não só manter, mas melhorar a qualidade do campus. Constantemente estamos revendo rotinas e procedimentos, investindo em equipamentos melhores, treinamentos, entre outras ações. As obras na rede de água eliminarão perdas na distribuição, melhorando a qualidade da água com economia de recursos. A troca realizada na iluminação por LED é outro exemplo. Sempre é possível economizar recursos e melhorar a qualidade. Basta estarmos sempre atentos e criativos.

TRINOVA — E o que ainda será feito em sua gestão?
ROBERTO — A colocação de placas fotovoltaicas em diversas áreas do campus, prevista para início ainda neste semestre e outros investimentos em iluminação são exemplos de ações imediatas. A recém-instalação de câmeras com leitura de placas dos veículos que entram e circulam permitirão maior segurança e parcerias com a polícia. Com a Secretaria de Defesa do Meio Ambiente, estamos planejando valorizar as entradas do município com projeto paisagístico ao longo das principais rodovias de acesso a Piracicaba.

Leia mais

Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.