A força do cooperativismo

por | 26 mar, 2020 | 0 Comentários

Segundo a Organização das Cooperativas Brasileiras, se as 300 maiores cooperativas do mundo se unissem e formassem um país, ele seria a 9º maior economia atual.

A consciência de que o “fazer juntos” pode render resultados mais satisfatórios e sustentáveis do que o “fazer sozinho” tem conquistado espaço na dinâmica da economia. Vivemos em um mundo compartilhado e é exatamente nesse ponto que se insere o cooperativismo, modelo que humaniza as relações socioeconômicas e, a cada ano, ocupa mais espaço no crescimento econômico mundial.

Assim como muitas das boas ideias surgem nos momentos de dificuldade, o movimento cooperativista teve suas bases lançadas durante a Revolução Industrial. O início ocorreu com um grupo de trabalhadores que, insatisfeito com a falta de empregos e os baixos salários pagos pelas empresas europeias, buscou alternativas para melhorar a situação. Já no Brasil, o cooperativismo começou a ser visto desde a colonização portuguesa e seu início oficial aconteceu em Minas Gerais, em 1889.

A proposta do cooperativismo se baseia no esforço de um grupo para alcançar benefícios comuns a seus integrantes. Pessoas com interesses coincidentes se unem para prestarem serviços entre si e obterem mais vantagens para todos. Esse modelo de associação cooperativa pode ser aplicado às mais variadas vertentes de negócios. No Brasil, as cooperativas são classificadas em 13 ramos de atuação: agropecuário, consumo de crédito, educacional, especial, infraestrutura, habitacional, produção, mineral, trabalho, saúde, turismo, lazer e transporte.

As cooperativas financeiras não têm fins lucrativos e os associados são usuários dos produtos e serviços e donos do empreendimento, tendo participação nas decisões e na divisão dos resultados alcançados pela instituição.

Números

O cooperativismo está presente em cerca de 100 países e, segundo o Anuário do Cooperativismo Brasileiro 2019, divulgado pela OCB (Organização das Cooperativas Brasileiras), em todo o mundo, as cooperativas contabilizam 1,2 bilhão de associados e empregam 280 milhões de colaboradores.

No Brasil, 5,2% da população é associada a uma cooperativa financeira. Nos Estados Unidos, esse número chega a 52,87%, de acordo com os dados mais recentes da Confebras (Confederação Brasileira das Cooperativas de Crédito).

Na Alemanha, as instituições financeiras cooperativistas administram quase US$ 700 bilhões em ativos. No Canadá são US$ 311 bilhões em ativos, na França, esse montante supera os US$ 4 trilhões. No Brasil, esse valor é de apenas US$ 77 bilhões.

Banco do Brasil estimula crescimento

Para estimular o aumento do cooperativismo de crédito no Brasil, o governo adotou como meta aumentar de 9% para 20%, até 2022, a participação de mercado das cooperativas nas linhas de crédito em que são competitivas. Entre elas estão: crédito pessoal não consignado, crédito rural e capital de giro para empresas. A estimativa foi apresentada em fevereiro pelo diretor de Fiscalização do BC (Banco do Brasil), Paulo Souza. A mudança ajuda a aumentar a concorrência com bancos e diminuir os juros para empresas e o consumidor final.

Até 2022, o BC espera que os cooperados concentrem 40% do crédito tomado nas cooperativas. A estimativa é que essas medidas levem o total de ativos dessas instituições de R$ 296 bilhões em 2019 para R$ 545 bilhões em 2022.

Em entrevista ao UOL, Paulo Souza afirmou que o Brasil possui 916 cooperativas de crédito e 10,1 milhões de cooperados. “Se as cooperativas fossem uma única instituição financeira, já seriam o sexto maior banco do Brasil. Atualmente, representam 5% dos depósitos de todo o sistema financeiro. Na França, são 60% e, na Holanda, 39%. Há espaço para crescer no Brasil”, afirmou.

Conforme o BC, atualmente, as cooperativas de crédito estão presentes em 2.600 municípios, mas a participação nas regiões Norte e Nordeste ainda é pequena. A meta é aumentar de 13% para 25% o percentual de municípios atendidos nessas regiões.

 

 

 

Leia mais

A universidade da disrupção

A universidade da disrupção

Estamos preparados para o futuro? A Singularity University, escola de inovação do Vale do Silício, utiliza tecnologias...

Suas compras em 2020

Suas compras em 2020

Quais são as tendências de consumo para este ano? Não temos bola de cristal, mas temos a autoridade global em análises...

Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.