As 15 profissões que estão no ranking das mais emergentes de 2020

por | 8 jun, 2020 | 0 Comentários

Pesquisa destaca carreiras voltadas ao digital e à tecnologia da informação.

Dizer que vivemos em um mundo que está em constante mudança, que estas ocorrem cada vez mais rápido e que o grande desafio é e continuará sendo acompanhá-las de maneira ágil e eficaz, parece bem clichê. De fato, é. No que diz respeito ao mercado de trabalho, a questão não é diferente e talvez seja até mais acentuada. 

Todo mundo sabe que, diferente de tempos passados, em que ter uma graduação era um dos pontos principais para diferenciar um profissional de outro, hoje é necessário sempre mais. A chave é, sim, buscar qualificação contínua e estar atento ao que o mercado reserva e exige. Importante saber, por exemplo, quais são as áreas mais promissoras e o que tem mudado com o passar dos anos. Em especial, alguns segmentos têm ganhado destaque e mais espaço.

O LinkedIn, rede social mais focada no relacionamento profissional, publica, há anos, um levantamento intitulado “Emerging Jobs” (“Empregos Emergentes”, na tradução para o português), que elenca os trabalhos que estão em ascensão ou que são tendência a partir de informações da própria plataforma. Pela primeira vez, este ano, a pesquisa foi segmentada por países e, no Brasil, foram apontadas 15 profissões que estão no ranking das mais emergentes de 2020. Dessas, nove estão diretamente ligadas à área de tecnologia da informação.

Conheças as profissões tendência e o que é esperado dos candidatos:

1 – Gestor(a) de mídias sociais

Conforme a pesquisa do LinkedIn, a profissão de gestor de mídias sociais teve a procura ampliada em uma média anual de 122% entre 2015 e 2019. Estes profissionais devem ter familiaridade com os mais diferentes canais digitais e atuar no relacionamento, engajamento e prospecção de uma empresa, por exemplo, nestas plataformas. 

2 – Engenheiro(a) de cibesegurança

A função de um engenheiro de cibersegurança é, entre outras, a de criar sistemas de segurança e monitorar a infraestrutura de TI (Tecnologia da Informação) e informações sigilosas das empresas, evitando assim que os sistemas sejam invadidos. O crescimento anual deste segmento, de acordo com o LinkedIn, é de 115%. 

3 – Representante de vendas

Com crescimento anual de 109%, o representante de vendas é importante em qualquer segmento. É ele o responsável por prospectar novos clientes e, muitas vezes, conduzir os processos de uma negociação. Conforme o levantamento, as mais altas posições estão disponíveis aos profissionais especialistas em vender tecnologia, já que são buscados pelas empresas dos segmentos de software, TI e internet. 

4 – Especialista em sucesso do cliente

O relacionamento pós-venda é essencial. Cabe ao especialista em sucesso do cliente proporcionar a experiência positiva buscada pelo comprador. Este profissional combina habilidades técnicas e comportamentais para que possam impactar os negócios. 

5 – Cientista de dados 

É o cientista de dados quem captura, processa, analisa e interpreta os dados das empresas. Este profissional tem conhecimentos necessários para, a partir das informações, construir modelos, fazer experimentos e buscar insights para melhorar o processo de tomada de decisão.

6 – Engenheiro(a) de dados

É o engenheiro de software responsável por construir a infraestrutura e os sistemas para organização dos dados de uma empresa. A própria pesquisa cita que o profissional atua no armazenamento, na distribuição e na recuperação dessas informações com foco na otimização do desempenho delas.

7 – Especialista em inteligência artificial 

Quando se fala em inovação, logo se associa a questão à Inteligência Artificial (IA) e ao machine learning (aprendizado automático, em português). O especialista nesta área atua nos mais variados setores e conta com habilidades específicas para atuar com deep learning (aprendizagem profunda) e com linguagem de programação Python.

8 – Programador(a) de JavaScript

É o profissional que trabalha com a linguagem de programação JavaScript,  uma das principais tecnologias da internet. A maioria dos sites e navegadores têm um mecanismo JavaScript para executá-los. A linguagem está entre as mais utilizadas na atualidade. 

9 – Investidor Day Trader 

Nesta área, se destacam os profissionais com habilidades para trabalhar com o Day Trade, uma estratégia de compra e venda de ações em bolsas de valores em um mesmo dia. Em português, Day Trade significa “negociação do dia”. São necessários, para esta área, conhecimentos sobre bolsas de valores, mercado de capitais, Trading (investimentos de curto prazo) e metodologia Technical Analysis (em português, análise técnica).

10 – Motorista

Além de dirigir bem, o motorista profissional da atualidade tem sido procurado também por empresas ligadas a internet e aos serviços e facilidades ao cliente. Neste caso, entram os aplicativos de transporte de passageiros e os de compras e entregas, bem como o segmento de logística. 

11 – Consultor(a) de investimentos

Este profissional auxilia os clientes na tomada de decisão sobre como melhor aplicar seus recursos, de acordo com suas expectativas e necessidades. Para atuar nesta área, é essencial ter conhecimento em investimentos, mercados de capitais e financeiros, renda fixa e análise financeira. O consultor de investimento trabalha com estratégias para beneficiar seus contratantes. 

12 – Assistente de mídias sociais 

Assim como o próprio nome diz, este profissional atuará nas mídias digitais, definindo estratégias para empresas e clientes. Sua atuação é de nível mais operacional. As áreas de publicidade e marketing são as que mais contratam.

13 – Desenvolvedor(a) da plataforma Salesforce

O Salesforce é um dos sistemas CRM (Customer Relationship Management, ou em português “Gestão de Relacionamento com o Cliente”) mais fortes do mercado e os especialistas analisam os processos da empresa, desenvolvem fluxos de trabalho e criam soluções para necessidades específicas do negócio. A função do desenvolvedor desta plataforma é a de centralizar, em um único banco de dados, todas as interações entre uma empresa e seus clientes.

14 – Recrutador(a) especialista em Tecnologia da Informação

Os recrutadores especializados devem ter, além de técnicas de recrutamento, conhecimentos em TI para uma contratação assertiva. 

15 – Coach de metodologia Agile

O coach especializado nesta metodologia de gerenciamento de projetos (focada em desenvolver equipes mais ágeis, que facilitem o processo de transformação da cultura organizacional) treina e supervisiona os times e seu desenvolvimento na empresa. 

ANALISANDO… 

Para o professor universitário Carlos Alberto Zem, que é mestre em Administração e especialista em Varejo e Mercado de Consumo e em Administração de Marketing, inevitavelmente, o “digital” e as “forças tecnológicas estão moldando e mudando o nosso mundo”. “Como há um processo de transformação digital em curso, automaticamente as organizações tenderão a um rumo dado por ela, demandando, como contrapartida, de pessoas, na condição de trabalhadores profissionais, com conhecimentos, habilidades e atitudes convergentes com a transformação digital, motivo pelo qual pode-se analisar tais áreas como promissoras”, comenta.


Apesar do grande destaque para as profissões na área tecnológica, por exemplo, é importante ponderar, conforme Zem, que a “tecnologia é apenas um meio facilitador para a execução de atividades e tarefas que compõem o formato destas profissões”. “Ela não é a solução em si, de maneira que a ênfase continua focada em pessoas, por mais que haja, por exemplo, a adoção da inteligência artificial e uma convivência entre nós e os robôs em diversas atividades. O futuro pertence às relações envolvendo pessoas e tecnologia, numa combinação para a sinergia, de maior produtividade”, ressalta.

Segundo a professora do Departamento de Economia, Administração e Sociologia da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq/USP), doutora em Gestão e Pessoas e coordenadora do Grupo de Estudos sobre Carreira, Organização e Pessoas (Gecop) da Esalq, Heliani Berlato, as novas carreiras surgem em decorrência de cenários econômico, político e social. “Vemos uma tendência para o mercado de tecnologia de informação porque, cada vez mais, se torna comum o uso dessa tecnologia para todas as pessoas, de todas as classes sociais. Há um apelo para essa área. O smartphone se tornou um ‘apêndice’ do corpo, então é natural observar o crescimento de profissionais que evidenciem esse caráter tecnológico e no ‘pós-pandemia’, com futuras pesquisas, vamos sentir melhor ainda, como estas, quais outras (profissões) aparecerão”, afirma.

Heliani também expõe preocupação no que diz respeito à necessidade de preparo por parte dos profissionais, dos processos e até de políticas de gestão de pessoas em se tratando dessas novas profissões e funções do trabalhador. “Temos uma das carreiras, por exemplo, dos motoristas. Os aplicativos vieram para ficar. Minha ressalva é para a precarização. Em toda construção e profissão há prós e contras. Será necessária a criação de know-how para que essas novas tendências e profissões se consolidem e essas áreas estejam preparadas para receber estes profissionais, que deixem claro o que se espera deles”, explica. 

FUTURO 

Carlos Alberto Zem destaca que, para se estar preparado para o futuro, levando-se em conta essas áreas emergentes, a educação continuada “mantém-se como regra fundamental àqueles que desejam tanto a preparação como manutenção da relevância de suas profissões”. “Tal tipo de educação caracteriza-se pelo conceito ‘Lifelong Learning’ (educação ao longo da vida), indicada no documento The Future of Jobs Report 2018, do Fórum Econômico Mundial. Um dado muito interessante desse conceito, expresso neste documento, é a constatação de que, na década 2020-2030, necessitaremos estudar por ano, em média, 100 dias a mais para aquisição de novas aprendizagens”, aponta.

Algumas profissões, como já ocorreu no passado, ainda de acordo com Zem, poderão, sim, deixar de existir, num ciclo natural, pois se trata de algo que vai além do desejo de quem a exerce. Decorre de fatores externos e incontroláveis. Cabe ao profissional, conforme explica, desenvolver novas competências, habilidades e atitudes com vistas a um “reinventar-se constante”. “Destacando, com ênfase, a criatividade, que sempre nos manterá em condição diferenciada e de vantagem em relação à Inteligência Artificial e robôs, que estarão destinados a operações repetitivas”, conclui. 

É HORA DE PENSAR EM MUDANÇA?

A tomada de decisão em termos de carreira é um momento importante. Em tempos de pandemia e, portanto, de incertezas, uma mudança, por exemplo, não é recomendada, segundo a professora Heliani Berlato.  “O momento é sim de reflexão, porém, focar na troca de carreira, baseando-se na tendência, acho arriscado. Não acredito que seja um bom momento. Talvez para os jovens que estão olhando para o futuro, e essa geração tem de estar mais atenta a isso, principalmente para a área de tecnologia de informação. Mas ainda é tudo muito incerto, precisamos entender como ficaremos pós-pandemia”, alerta. 

Apesar disso, as tendências devem, sim, estar no radar, especialmente de quem deseja fazer uma transição, desde que a escolha esteja integrada ao perfil do profissional. “Algo importantíssimo é que a carreira deve estar afinada aos desejos da pessoa. Pode ser tendência, mas pode não ter a ver comigo. A escolha de carreira precisa também estar alinhada com os propósitos de cada um. Tomadas de decisão não devem ser feitas agora. Para quem pode, 2020 é o ano de refletir e sentir esse momento, que ainda tem muito para nos revelar”, acrescenta.

Leia mais

Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.