Raio X da transformação digital

por | 8 jun, 2020 | 0 Comentários

Um dos maiores especialistas da área, publicitário Walter Longo reflete como a onipresença do virtual transforma o comportamento humano e impulsiona os pequenos negócios.

Como a evolução do digital está moldando nossos comportamentos? As lojas físicas estão morrendo? Vale a pena empreender do outro lado da tela? Enquanto a pandemia do coronavírus traz à tona questionamentos sobre o “novo normal”, um dos maiores estudiosos em inovação e transformação digital do Brasil, o publicitário Walter Longo reflete sobre os limites do online na mudança do modo de viver e de empreender. Grande crítico do “pós-digital”, indica que o virtual se incorpora cada vez mais, até nas pequenas ações do dia a dia.

“Não existe mais a divisão do online e do offline. Agora é o ‘on-off’, ou seja, daqui para frente as pessoas não vão mais nem perceber quando saem de um mundo e entram no outro”, explana durante bate-papo com a Trinova.

Longo é ex-presidente do Grupo Abril, foi conselheiro de Roberto Justus no reality-show O Aprendiz, da Record TV, e agora tem sua própria empresa de comunicação, a Unimark. O estudioso da transformação digital é categórico: corta conversa de gente que usa limitações geográficas, estruturais e financeiras como justificativa para ignorar as novas oportunidades.

“A gente tem que entender que a única limitação do empreendedorismo daqui para a frente é a da nossa cabeça. É uma limitação mental, e é isso que devemos evitar”, chama a atenção. 

O Panorama de Negócios Digitais Brasil 2020, da startup HeroSpark, mostra que 54% dos empreendedores digitais ouvidos no levantamento abriram o próprio negócio no último ano.

Autor de livros de marketing, publicidade e de mídias, o publicitário estuda o “pós-digital” – período em que a tecnologia digital é onipresente. Para afirmar que o “online” é quase imperceptível, Longo dá como exemplo as lojas que oferecem opção de entrega em casa ou de retirada dos produtos diretamente no local. 

 ‘O mundo é dos pequenos’

Quando o assunto é a era pós-digital, Longo alerta que está na hora quebrar o senso comum de que a receita de sucesso só funciona em empresas de grande porte. Ele afirma que cada vez mais “o mundo é dos pequenos” – que, dependendo do ramo, ganham mais protagonismo ainda durante a pandemia.  

“No momento em que o mundo muda o tempo inteiro, é fundamental ter capacidade de adaptação, versatilidade. E quanto menor você for, mais fácil isso acontece”, indica o palestrante. 

– A pesquisa da HeroSpark levantou que a maioria dos empresários digitais é Microempreendedor Individual 

Segundo Longo, a vantagem para os pequenos negócios começou graças ao maior acesso à informação, promovido pela era pós-digital, e à possibilidade de alcance a um grande número de pessoas, mesmo trabalhando a partir de um ambiente que não demande estrutura física complexa nem tantos funcionários. 

O publicitário usa marcas locais de biquínis como exemplo: até tempos atrás era necessário participar de feiras internacionais de moda para inserir o produto no mercado. No pós-digital, basta abrir uma loja virtual para que a roupa íntima seja rapidamente vista por todos.

A maioria das empresas digitais tem apenas um funcionário, aponta o panorama de Negócios Digitais 

Era do inesperado

Longo pondera que em tempos de grandes transformações no mundo, um dos problemas que pode desestabilizar uma empresa é o fato dos empresários se acomodarem quando passam a ter bons resultados. “Ao ir bem, minha tendência é achar que não preciso mexer em nada. E aí fico para trás. Temos que mexer também em time que está ganhando”, ressalta. 

E é justamente este período um dos mais importantes para se exercer a curiosidade, afirma Longo. O mentor do digital indica que uma peça-chave para o sucesso é o empreendedor e os funcionários terem “CEO”: capacidade, entusiasmo e otimismo. Mundialmente, a sigla CEO é a abreviação de Chief Executive Officer – diretor executivo, em português.

“A Covid-19 traz ao mundo uma era do inesperado, em que a rotina muda rapidamente e as incertezas aumentam. Mas as pessoas curiosas nunca ficam paradas, sempre buscam fazer coisas novas, procurar caminhos diferentes, e isso é bom para uma empresa”, analisa.  

‘Sociedade mimada’

Os estudos de Longo sobre a era pós-digital também indicam que as pessoas buscam cada vez mais serem tratadas como únicas na sociedade, o que faz aumentar a necessidade de os meios digitais encontrarem formas de fazer o público se sentir “exclusivo”. Entre as medidas, programas de fidelização de clientes, atendimento personalizado e Big Data – a astronômica quantidade de dados dinâmicos, gerada por segundo nos dispositivos eletrônicos, que permite que as empresas tracem tomadas de decisões.  

“Cabe ao mundo entender que a sociedade está mimada e exigindo essa individualidade, inclusive da relação. Daqui para frente, as empresas têm que tratar pessoas diferentes de maneiras diferentes”, aconselha o publicitário. 

29% dos empreendedores acreditam que Big Data será responsável pela transformação das empresas, mostra o panorama de Negócios Digitais

Longo avalia que muitas empresas ainda vivem o período da Idade Média na forma como lidam com os clientes. Ele apressa a necessidade de transição para a ‘Idade Mídia’: “O mundo digital proporcionou uma enorme quantidade de fazer isso [atendimento personalizado], independentemente do tamanho da empresa, a custos permissivos”. 

Cuidado!

O especialista em transformação digital reforça que as inúmeras possibilidades do meio e a necessidade de tratar cada pessoa como um ser diferente também trazem consequências negativas. Entre elas, cita a grande quantidade de notícias falsas agravada pelos algoritmos que filtram as informações de acordo com o gosto das pessoas. 

“A gente deixou de se deparar com o contraditório, que reforçava ou revia nossas teses. O algoritmo trabalha na busca do engajamento, que é formado a partir do que eu gosto”, completa Longo. 

– Em 2018, o jornal Folha de São Paulo deixou de publicar notícias no Facebook. Justificou que a decisão foi porque os algoritmos reduziram a exibição do jornalismo profissional aos usuários

E há uma explicação do porquê a resistência ao contraditório, num fenômeno chamado viés de confirmação. Segundo Longo, o cérebro busca tomar decisões de forma rápida, fazendo com que o ‘diferente’ seja ignorado. 

“No momento em que o mundo digital permitiu que fôssemos cada vez mais globais, nós estamos nos tornamos seres cada vez mais tribais. E isso é preocupante como sociedade”, lamenta. 

A orientação do mentor de comunicação digital é de consumir além dos conteúdos selecionados pelos algoritmos, buscando o contraditório, para que a formação de juízos de valores seja mais saudável.

“É fundamental que a gente siga aquilo que gostamos e odiamos. A melhor forma de consumir comunicação é consumir muito, de tudo. E não ser apenas um scanner humano, que só lê o título. E aí, isso nos tira da zona de conforto”, destaca Longo.  

Digital pós-pandemia

Com os novos hábitos durante a pandemia e especulações em relação ao ambiente de trabalho, o visionário das mudanças promovidas pela tecnologia vê uma ligeira potencialização do domínio do digital no mundo. 

“Novos hábitos nos meios digitais vão crescer muito, mas isso não é o suficiente para mudar o mundo, porque nós somos seres gregários, gostamos de estar com as outras pessoas”, analisa Longo. 

Para o publicitário, após a crise do coronavírus haverá dois caminhos que se cruzam: “O digital se fortalece um pouco mais, e o experiencial, que vai continuar apaixonando as pessoas e dando a elas um sentido de querer ficar com outras pessoas, viajar, experimentar”. 

A explicação do especialista para a ‘falsa impressão’ de que os comportamentos serão radicalmente alterados após a pandemia está no que ele chama de ‘síndrome do velório de um amigo’. 

“Sabe quando você chega num velório e fica lamentando a vida para o amigo? Que precisa cuidar mais da família, que precisa viajar. Uma coisa é a conclusão que você tira, outra coisa é a alteração do seu comportamento”, enfatiza Longo.    

Leia mais

Última Palavra: Marina Monfrinato

Última Palavra: Marina Monfrinato

Somos os responsáveis por tudo o que acontece em nossa volta. Acho que você já ouviu isso inúmeras vezes, não é mesmo?...

Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.