Liverpool, onde o sonho não acabou

por | 8 jun, 2020 | 0 Comentários

Estátuas dos Beatles no centro de Liverpool, a cidade natal de Paul, John, Ringo e George. Foto: Rubinho Vitti

Esta matéria faz parte da série “O sonho não acabou: 50 anos sem os Beatles”

Por que uma cidadezinha portuária a noroeste da Inglaterra, de pouco mais de 800 anos e com 400 mil habitantes, tornou-se famosa no mundo todo? É só dizer Liverpool que para muita gente soa familiar. Sim, estamos falando dos Beatles. Os “quatro garotos de Liverpool” são o cartão-postal da cidade, onde nasceram, cresceram, iniciaram a carreira e se tornaram a banda mais famosa de todos os tempos. Bem por isso, não poderia ser diferente, Liverpool respira Beatles, de ponta a ponta.

Em 2017, escolhi sair do Brasil para viver em Dublin, na capital da Irlanda. A ilha fica literalmente em frente a Liverpool, separadas apenas por 218 quilômetros de águas do Mar da Irlanda. Sendo assim, a cidade inglesa sempre foi meu primeiro desejo de viagem, até mesmo antes de Londres.

Demorou pouco menos de 12 meses para concluir minha missão de viajar para a terra onde nasceram as quatro cucas mais inteligentes da música popular. O que esperar de uma viagem para Liverpool? 

São inúmeras excursões e roteiros. É possível ir de ônibus, a pé e de táxi particular (sim, aqueles pretos e charmosos táxis ingleses). E se tem algo que eu gosto em viagens é conhecer lugares onde aconteceram coisas importantes. Um passeio bem mais raro em Liverpool, com poucas pessoas e poucas vezes ao dia, precisa ser agendado com semanas de antecedência e propõe justamente esse “estar” em um lugar histórico. 

A Beatles Childhood Homes Tour é um passeio pelas casas da infância de John Lennon e Paul McCartney, no subúrbio de Liverpool. Os turistas podem entrar nas casas onde os dois músicos cresceram até que a banda ficou famosa. Eles se visitavam, compunham e, principalmente, se divertiam na pacata Liverpool.

A modesta casinha de Paul e sua família, localizada na 20 Forthlin Road, está intacta e, ao entrar, parece que você faz uma viagem no tempo. O mais impressionante, porém, é andar pelos cômodos e saber o que aconteceu em cada pedacinho daquele “templo” beatlemaníaco. Em uma das salas, a nossa simpática guia nos conta que foi ali que Paul e Lennon compuseram Please, Please Me, I Call Your Name e She Loves You. 

Em um banheiro minúsculo, Paul praticava o canto e tocava seu baixo por conta da ótima acústica. A casa toda é recheada de fotos da época que nos colocam ainda mais por dentro daquele universo. 

Mendips, a casa da infância de John Lennon, é mais luxuosa que a de Paul. Da janela do andar superior é possível ver outra paisagem conhecida nas canções dos Beatles, o Strawberry Fields. Ali também permanecem desenhos feitos por John na infância, além de muitas fotografias da época.

O Cavern Club foi o primeiro bar onde os Beatles começaram a tocar antes mesmo de se tornarem os Beatles, em Liverpool. Foto: Rubinho Vitti

O Cavern Club foi o primeiro bar onde os Beatles começaram a tocar antes mesmo de se tornarem os Beatles, em Liverpool. Foto: Rubinho Vitti

Foram muitos os lugares em que visitamos e que o arrepio era constante. Mas o Cavern Club, certamente, foi o mais impactante. Apenas uma portinha com o letreiro iluminado fica aberta e você pode descer as dezenas de degraus até chegar a realmente uma caverna onde o fim é um palco, local em que músicos se revezam para tocar… Beatles! É impressionante ver turistas, muitos deles da terceira idade, emocionados, com suas cervejas nas mãos, cantando cada música apresentada naquele local histórico.

Os Beatles se apresentaram no Cavern Club ainda quando não eram Beatles, entre 1957 e 58. Já com o título, John, Paul, Ringo e George fizeram 292 shows por lá. Ele foi demolido, mas reconstruído com os mesmos tijolos e aos mesmos moldes do original. Assim, a essência é a mesma.

Liverpool é uma daquelas cidades em que dá vontade de passar o resto dos seus dias, cantarolando Beatles enquanto caminha por suas ruelas pequeninas.

Leia a séria completa: 

O sonho não acabou: 50 anos sem os Beatles

50 anos sem os Beatles: Newman Simões fala sobre influência da banda em sua vida

Fãs dos Beatles celebram a banda com muita música

Leia mais

Última Palavra: Marina Monfrinato

Última Palavra: Marina Monfrinato

Somos os responsáveis por tudo o que acontece em nossa volta. Acho que você já ouviu isso inúmeras vezes, não é mesmo?...

Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.